Faixa Atual

Título

Artista


Visões da Pandemia: Como é viver nos EUA em tempos de coronavírus

Escrito por em abril 23, 2020

Equipe de reportagem da Rádio Solaris busca relatos de pessoas que estão no exterior

O momento de pandemia vivido pelo mundo nos coloca interligados pelo mesmo objetivo: o enfrentamento ao coronavírus buscando diminuir ao máximo a sua incidência na população. As ações vão desde a utilização correta de máscara até estudos complexos em busca de respostas sobre o vírus e alternativas para tratamentos.

A equipe de Reportagem da Rádio Solaris busca trazer a vivência de pessoas que estão em outros países, seja brasileiros que moram no estrangeiro ou lá estão por algum período, ou até mesmo moradores locais, como é o caso desta reportagem.

Marisa, de 25 anos é moradora em Nashville, capital do Tennessee, região sudeste dos Estados Unidos. A cidade possui cerca de um milhão de habitantes, sendo a vigésima mais populosa dos EUA. Marisa explica as diferenças entre sua região e Nova York, cidade com mais de 15 mil casos confirmados até 22 de abril. Nashville tem “uma área muito grande e espalhada, já Nova York, que tem oito milhões de habitantes e uma área bem menor”.

Por viver em uma cidade com grande extensão territorial e menos concentração populacional em relação à Nova York, que possui cerca de 10 mil habitantes por Km², Marisa acredita que a menor densidade populacional “reduz um pouco o contágio, porque as pessoas vivem mais afastadas umas das outras, e não trancadas em apartamentos e prédios”.

Analise do momento norte-americano

Os Estados Unidos já registram mais de 47 mil mortes até a quarta-feira, 22 de abril. “Acho que é muito assustador saber que passamos a China em números. Também acho que é extremamente difícil para as pessoas tomarem decisões, já que não há um jeito fácil de resolver isso- é uma luta entre saúde e economia”, diz Marisa.

Ações realizadas pelo Governo

Para Marisa, é difícil avaliar as atitudes tomadas pelo presidente Donald Trump. “Será que as coisas seriam piores se não houvesse esses esforços financeiros? Eu acho que o maior problema que eu vejo são serviços não essenciais ainda solicitando que seus empregados venham trabalhar, mas sem protegê-los adequadamente”.  Ela completa trazendo a realidade vivenciada por seu irmão em seu trabalho. “Meu irmão, que vive em outro estado, nos contou que foi dito que eles teriam sua temperatura medida quando entrassem no prédio e ganhariam mascarás e luvas para usar durante o trabalho, e nada disso aconteceu. Eu gostaria que tivesse um jeito de o governo monitorar melhor essas situações”.

Avaliação do Isolamento Social em Nashville

Marisa também traz informações sobre como está sendo vivenciado o isolamento social no país norte-americano. Conforme ela, “está sendo bastante difícil. Nosso hospital local acredita que a cidade conseguiu diminuir o contágio a ponto de suavizar a situação de surto. Não posso falar por moradores de outros lugares, mas as pessoas aqui em Nashville fizeram um bom trabalho respeitando as regras, e saindo de casa com segurança e apenas para necessidades essenciais”.

Para Marisa, se iniciou um conflito de ideias sobre o isolamento. “Não há um conflito específico entre a população e o governo, mas sim entre dois âmbitos do governo. Aparentemente, o Governador do Tennessee quer que as coisas reabram antes do que o Prefeito de Nashville acha que deveriam. Com isso, a população fica confusa”.

Até a quinta-feira (23), os Estados Unidos têm 867.771 casos de Coronavirus confirmados, além de 48.900 mortes confirmadas e 79.817 pessoas recuperadas da doença.

Fonte: Grupo Solaris – Repórter Luiz Augusto Filipini.


Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *