Faixa Atual

Título

Artista


Secretaria da Agricultura começa coleta de produtos vegetais no RS para análise

Escrito por em abril 11, 2022

Neste ano, vão ser analisadas amostras de alface, banana, batata-doce, citros, feijão e tomate para detecção de presença de resíduos de agrotóxicos

O Departamento de Defesa Vegetal (DDV) da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) iniciou no mês de março a coleta de produtos vegetais no varejo de diversas regiões do Estado, tendo por objetivo verificar a qualidade dos produtos vegetais referentes à presença de resíduos de agrotóxicos.

De acordo com a secretaria, neste ano, vão ser analisadas amostras de alface, banana, batata-doce, citros, feijão e tomate. No mês de março, foram coletadas 12 amostras. E até o final do levantamento, devem ser coletadas 93 amostras. Os fiscais estaduais agropecuários, responsáveis pelo trabalho, vão fazer a coleta nas regiões de Porto Alegre, Santa Maria, Santa Rosa, Osório, Pelotas, Lagoa Vermelha, Erechim, Uruguaiana, São Luiz Gonzaga, Estrela e Passo Fundo.

As amostras serão encaminhadas para laboratórios federais de defesa agropecuária (LFDA) dos estados de Goiás e Minas Gerais.

O trabalho faz parte do Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes em Produtos de Origem Vegetal (PNCRC) e tem como objetivo monitorar e fiscalizar os resíduos de agrotóxicos e de contaminantes químicos e biológicos em produtos de origem vegetal.

O Rio Grande do Sul é o único estado do país que tem um convênio com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para fazer as coletas do PNCRC. Nos outros estados, as coletas são realizadas pelos auditores do Ministério.

Entre 2015 e 2018, o objetivo da coleta era fazer um monitoramento dos produtos vegetais. A partir de 2019 passou a ter um caráter fiscalizatório, podendo gerar a lavratura de autos de infração contra os responsáveis pelo produto contaminado.

“Nestas ações no varejo, além da coleta de amostras, se verifica a rastreabilidade dos produtos, pois o varejista tem que deixar exposto nas gôndolas as informações do produtor responsável, mesmo sendo a granel”, observa a chefe da Divisão de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal (DIPOV), Fabíola Boscaini Lopes. Estas informações podem ser disponibilizadas por meio de etiquetas nos produtos a granel ou em cartazes junto ao valor do produto. Assim, os consumidores têm a informação de quem produziu os alimentos.

“Da mesma forma que temos a garantia e a informação da rastreabilidade dos produtos embalados, temos que ter essa mesma garantia para os produtos a granel. Em casos onde não é possível ter a informação do produtor, o varejista deve responder em casos de irregularidades”, afirma Fabíola.

Fotos: Divulgação

Opnião dos Leitores

Deixe uma Resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *