Faixa Atual

Título

Artista


Região de Caxias do Sul volta para bandeira vermelha

Escrito por em julho 10, 2020

Governador Eduardo Leite fez anúncio na tarde desta sexta-feira, mas prefeitos afirmam que vão recorrer novamente. Caso prevaleça, medida começa a vigorar na terça-feira

A Região da Serra, incluindo Caxias do Sul, Flores da Cunha entre outros, em menor escala, foi enquadrada novamente na bandeira vermelha (nível alto) no Modelo de Distanciamento do Governo do Estado pela terceira semana consecutiva, publicado nesta sexta-feira, dia 10, e anunciado por Eduardo Leite. Os prefeitos já disseram que vão recorrer novamente a exemplo das duas últimas semanas onde a bandeira estava laranja (nível médio). Prazo vai até este domingo às 8h e, caso prevaleça, a medida começa a vigorar a partir de terça-feira, dia 14.

Os principais pontos justificados pelo governo estão nas internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), que pulou de 78 para 90, nos últimos sete dias. Já o número de vagas específicas para covid-19 saltou de 59 para 67 e os internados em UTI que são positivos para o coronavírus foram de 59 para 69 — nesta sexta, o número já subiu para 79. As normativas têm regras mais rígidas sobre o funcionamento do comércio considerado não essencial. Bares e restaurantes poderão trabalhar apenas com telentrega ou pegue e leve. A indústria tem autorização para trabalhar com apenas 50% do seu quadro de colaboradores.

Sendo assim, somente os serviços essenciais poderão abrir as portas, mas com restrições. O prefeito de Caxias do Sul, Flávio Cassina informa que o município vai recorrer da decisão, por meio da Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste (Amesne), para mostrar argumentos de capacidade de atendimento ao comitê de indicadores do gabinete de crise do Estado, mas afirma que não tem mais como segurar a equação correta. “Vamos fazer esse recurso na esperança que dê tudo certo, mas a situação é muito difícil, porque a gente vive nessa gangorra. Não temos mais como segurar a equação correta entre economia e saúde”, avalia.

Até segunda-feira, quando são reavaliados os indicadores, as regras a serem cumpridas em Caxias do Sul são as da bandeira laranja e dos decretos municipais em vigor, principalmente o que proíbe a entrada de grupos nos estabelecimentos comerciais no final de semana, evitando aglomerações.

CDL

Caso se confirme, a CDL Caxias do Sul estima que, com a paralisação dos estabelecimentos classificados como não essenciais, somente o comércio caxiense deixará de faturar R$ 3,3 milhões por dia, agravando a crise econômica e social. O levantamento é baseado nos números de arrecadação de ICMS.

“Estamos fazendo um esforço conjunto. Neste tempo, tivemos reuniões com a prefeitura, orientamos nossos associados desde as medidas de prevenção ao coronavírus até questões referentes aos benefícios e suporte legislativo, além de conversamos com a Visate sobre a ocupação do transporte público. No âmbito nacional, a CNDL está atuando junto ao Governo Federal na busca de alternativas para as empresas”, resume o presidente da CDL Caxias, Renato Corso.

Ele lembra, ainda, que a soma da força-tarefa entre as entidades do comércio da cidade resultou na liberação do comércio eletrônico e por telentrega na bandeira vermelha para estabelecimentos varejistas classificados como não essenciais, antes proibido.

No Estado

Na décima rodada preliminar do Distanciamento Controlado, o Rio Grande do Sul tem 15 regiões com risco alto, ou seja, estão na bandeira vermelha. Essas regiões representam 84,2% da população gaúcha (9.535.519 habitantes). Na rodada definitiva do mapa anterior, eram seis regiões em vermelho, equivalente a 52,9% da população (5,9 milhões de habitantes). As bandeiras definitivas serão divulgadas na segunda-feira, dia 13.. 

A análise preliminar dos índices de propagação do vírus e de ocupação dos leitos trouxe, novamente, as regiões de Porto Alegre, Canoas, Novo Hamburgo, Capão da Canoa, Palmeira das Missões e Pelotas em bandeira vermelha. Essas áreas já haviam sido classificadas como alto risco na rodada anterior.

As regiões de Taquara, Santo Ângelo, Cruz Alta, Santa Rosa, Erechim, Passo Fundo, Caxias do Sul, Cachoeira do Sul e Santa Cruz do Sul evoluíram de bandeira laranja para vermelha nesta rodada. Santa Maria, Ijuí, Uruguaiana, Bagé e Lajeado são as cinco regiões que permaneceram na bandeira laranja.

Embora nenhuma região do Estado tenha sido classificada com risco altíssimo (bandeira preta), tampouco houve classificação de risco baixo (bandeira amarela). Nesta rodada, inclusive, nenhuma região apresentou melhora nos índices.

Dos 391 municípios que compõem as áreas com bandeira vermelha, 218 cidades não tiveram registro de hospitalização e óbito por Covid-19 de morador nos 14 dias anteriores ao levantamento. Por isso, se adequam à chamada Regra 0-0 e podem adotar protocolos previstos na bandeira laranja por meio de regulamento próprio como Nova Pádua e Antônio Prado, por exemplo.

Fonte: Governo do Estado


Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *