Faixa Atual

Título

Artista


Quatro dos nove Vereadores de Flores da Cunha devem tentar reeleição em 2020

Escrito por em outubro 4, 2019

Quatro vereadores acenaram com a possibilidade de concorrer à reeleição, três foram taxativos e disseram que não e um admitiu que pretende concorrer nas prévias do partido ao executivo florense

A exato um ano das eleições municipais, dos nove vereadores de Flores da Cunha, apenas quatro acenaram com a possibilidade de concorrer à reeleição em 2020. Três foram taxativos e disseram que não querem se candidatar e os demais têm o futuro político indefinido. Um deles admitiu que está fora da corrida ao Legislativo e pretende concorrer nas prévias do partido ao executivo florense.

A dúvida de algumas candidaturas para a Câmara de Vereadores está ligada ao cenário político incerto para a eleição à prefeitura e também a compromissos pessoais e o cenário indefinido quanto a reforma da previdência por exemplo. Os que não têm posição faltando 12 meses é que aguardam o aval do partido e questões particulares.

Dos atuais vereadores, o único que confirmou a intenção de concorrer ao executivo é o vereador Moacir Ascari (MDB), o “Fera”. “Já concorri em quatro eleições ao Legislativo, agora vou tentar a prefeito e se não obter apoio do partido, não vou concorrer a mais nada”, afirma.

Já a vereadora Claudete Gaio Conte (PDT) diz que sua intenção é não concorrer ao Legislativo florense, e não descarta uma hipótese de se candidatar a vice-prefeita. “Hoje minha intenção é não concorrer à Câmara. Tenho meus compromissos particulares e estou prestes a me aposentar (ela é professora, com 25 anos de magistério), mas é certo que o PDT terá candidato à prefeitura. Há vários nomes, mas não pretendo concorrer a nenhum cargo, mas claro, depende do partido”, salienta.

Veja as posições dos vereadores florenses:

SIM/CANDIDATO À REELEIÇÃO

Ademir Barp (MDB): “Muito cedo ainda para dizer alguma coisa. Fui o mais votado nestas eleições. A princípio temos intenção de concorrer à reeleição, mas temos que conversar com a família”.

Everton Scarmin (presidente do MDB local): “ Sim, pretendo colocar meu nome à disposição do partido”.

Clodomiro Rigo (Progressistas): “Sou candidato sim, mas claro depende do partido, mas acredito que o PP não vai se opor”.

Samuel de Barros Dias (PTB): “Pelo trabalho que realizamos e pelo que sentimos com a comunidade, foi uma grande experiência esta minha primeira legislatura e vamos de novo”.

NÃO

Moacir Ascari (MDB): “Já fui quatro vezes à Câmara e agora chegou a hora de ir ao Executivo. E se não conseguir, não vou concorrer a mais nenhum cargo político”.

Pedro Sperluk (PSB): “Se depender de mim, não vou concorrer, mas somos um grupo no PSB e dependemos do partido, que acho que eles vão querer que eu concorra”.

Claudete Gaio Conte (PDT): “Hoje diria que não pretendo concorrer. Já concorri outras vezes e também a vice-prefeita e agora não quero mais concorrer a cargo público, porém preciso cuidar da minha vida pessoal e estou prestes a me aposentar (ela é professora)”.

INDEFINIDO

João Paulo Carpegianni (MDB): “Estamos analisando a possibilidade. Não tenho nada definido hoje. Temos que avaliar algumas questões pessoais e quatro anos é um longo período”.

César Ulian (Progressistas): “Não defini ainda. Nesta minha primeira legislatura senti muita dificuldade de conseguir colocar em prática minhas ideias e isso me deixou frustrado. Hoje diria que está meio a meio”.

Câmara de Vereadores de Flores da Cunha
Foto: Câmara de Vereadores/ Divulgação

Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *