Faixa Atual

Título

Artista


Profissionais precisam de criatividade para não perder renda na pandemia

Escrito por em abril 20, 2021

Pessoas que trabalham na área da beleza precisaram se adaptar ao momento, inovando como novos segmentos de atendimento

Taisy Scremin e Cirlei Panizzon são exemplos de empreendedoras que trabalham no ramo da beleza e estão sofrendo os impactos da pandemia da Covid-19. Cirlei é dona do Bella Dona Beauty Studio, espaço para produções como: cabelo, maquiagem, design de sobrancelhas, entre outros serviços. Taisy também atende no mesmo espaço, com serviços na área da maquiagem.   

As duas atendiam uma enorme gama de produções para eventos como: casamentos, formaturas, aniversários e batizados, mas estes setores também foram muito afetados, consequentemente os atendimentos também diminuíram muito. Pensando em uma nova forma de ganhar dinheiro, elas precisaram inovar em novas soluções para atrair clientes.   

Em conversa com a reportagem da Rádio Solaris FM 99.1, Taisy explicou que precisou se adaptar na pandemia para continuar com suas clientes e alcançar um novo público. Ela começou a atuar na área de sobrancelhas, algo que não fazia antes, e está focando mais nos cursos de automaquiagem. 

Por ser formada em moda, Scremin também inovou ao realizar atendimento on-line em consultoria pessoal e análise cromática, ao qual é apresentado ao cliente qual é a sua coloração pessoal como: cor da pele, olhos, cabelo e quais cores combinam melhor com essas características. Tudo isso junto com um atendimento personalizado, em cenários, cidades diferentes e até ao ar livre. 

Já Cirlei trabalha com a área de cabelos. Ela relatou que está bem difícil de continuar atendendo, mesmo baixando o valor de seu atendimento e fazendo combos, muitas das clientes pararam de ir até o salão por ter medo de contrair a Covid-19. “Acho que nem se eu oferecesse de graça as pessoas viriam”, declara ela. 

“Tem dias que atendo uma ou duas pessoas por dia. Tem dias que não atendo nenhuma”, afirma Cirlei. Além do salão, a empreendedora começou a fazer tricô para aumentar sua renda mensal. “Agradeço que a sala é minha e fico pensando aqueles que têm que pagar aluguel. O processo está difícil”, finalizou Panizzon.


Opnião dos Leitores

Deixe uma Resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *