Faixa Atual

Título

Artista


Produtores de uva entram na reta final da poda das parreiras

Escrito por em agosto 30, 2021

Apesar da venda de vinhos no Brasil estar batendo recordes, a família Trentin afirma não estar sentindo esse aumento no bolso

Mantendo a tradição dos antepassados, desde a imigração italiana, a família Trentin se dedica a cultura da uva em Otávio Rocha, distrito de Flores da Cunha (RS). Cada um com a sua tesoura, o pai Roque e o filho Sidnei (Sidi) podam os galhos ruins para dar espaço para a germinação da próxima safra. Como qualquer outra profissão, trabalhar com produção de uva tem altos e baixos.

“O negativo é o preço das coisas: o plástico, a estrutura metálica, os tubos de irrigação, o arame e o arco, tudo aumentou muito esse ano”, explica Sidi. Ele recorda que no ano anterior havia pago RS 11 por cada arco e este ano o mesmo item está sendo vendido por R$ 28 pra cima. E não para por aí, o saco do adubo também teve reajuste: “no ano passado eu pagava por volta de R$ 90, já esse ano eu tive que pagar R$ 189,00.

Não bastasse os aumentos para comprar equipamentos, os produtores são afetados ano a ano pelas incertezas na hora colher e entregar a uva para os cantineiros. “A uva é a única cultura que tu planta, vende e entrega a produção e tu não sabe o que vai receber, como tu vai receber, quanto tu vai receber e quando tu vai receber”, desabafa Sidi. Além disso, por ser um produto perecível, é necessário fazer a colheita, mas sem ter a certeza de que tudo será vendido.

Apesar dos obstáculos, para Roque Trentin, de 71 anos, muita coisa melhorou desde a época do seu avô, a começar pelo uso das máquinas, como tratores e caminhões. O agricultor recorda que no passado era utilizado uma carroça para fazer o transporte do vinho até a cidade vizinha de Caxias do Sul (RS). Não só a carroça foi substituída por veículos automotores, como também a tesoura de fazer a poda foi automatizada, passando a funcionar à bateria.

Faltando aproximadamente uma semana para terminar o processo da poda, pai e filho trabalham de sol a sol. O uso de maquinário facilita e permite que os dois deem conta dos trabalhos na propriedade. Roque relembra que, antigamente, sua família era composta por 15 pessoas morando na mesma residência e trabalhando juntos, entretanto, “com o tempo muitos filhos e netos foram estudar e foram morar na cidade”.

A cultura do milho e do trigo, e o trato com animais, foi deixado no passado. O menor número de pessoas para cuidar dos afazeres fez com que a família optasse por se concentrar somente no cultivo da uva. “Se tornou um negócio inviável” explica Sidi; “Não tinha sábado, domingo ou feriado. Era tirar o leite todos os dias e produzir o queijo”. Há cinco anos se desfizeram das vacas leiteiras.

Focados no plantio da uva Niágara rosa, a família compartilha da insatisfação de tantos outros produtores que viram a venda da uva e do vinho aumentar no Brasil, porém sem sentir os benefícios no próprio bolso.

Venda de vinhos no Brasil tem novo recorde histórico

De acordo com o relatório da União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra), o primeiro semestre de 2021 foi o melhor da história para as três categorias que o órgão divide o mercado: os vinhos finos com um aumento de 41,15%, espumantes brut subiram 52,03% e moscatéis 43,3%.

A venda do suco de uva também foi de superação, com 77,749 milhões de litros comercializados, uma alta de 3,56%. Esses números são comparados ao ano de 2020, que já havia sido ótimo ano para o setor.

O relatório da Uvibra leva em conta apenas os números de comercialização de produtos elaborados no Rio Grande do Sul, principal produtor brasileiro. O estado responde por cerca de 90% da fabricação nacional de vinhos. Aqui, cerca de 40% dos vinhedos já fica na Campanha Gaúcha, mas a concentração da produção ainda é na Serra.

Fotos: Igor Panzenhagen/Grupo Solaris


Opnião dos Leitores

Deixe uma Resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *