Faixa Atual

Título

Artista


Pesquisa da Famurs aponta que 74% dos prefeitos aptos devem tentar reeleição

Escrito por em outubro 6, 2020

Na eleição 2016, dos 222 candidatos, apenas 115 foram eleitos novamente

A Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) realizou um levantamento com os prefeitos gaúchos que poderão concorrer a reeleição no próximo pleito, dia 15 de novembro. O estudo aponta que dos 497 gestores, 392 assumiram o cargo na última eleição, em 2016, e estão aptos a disputar o segundo mandato.

No entanto, nem todos irão encarar às urnas. Foram 291 prefeitos que manifestaram interesse na reeleição, o que representa 74% dos gestores aptos.

Ainda assim, este é um dos maiores índices de busca pela reeleição para chefia do executivo municipal. Para se ter ideia, na última eleição, menos da metade dos prefeitos e prefeitas concorreram. Dos 222 candidatos, apenas 115 foram eleitos novamente.

Para o presidente da Famurs e prefeito de Taquari, Maneco Hassen, a escolha dos gestores em buscar um novo mandato representa coragem, além de demonstrar preocupação com os municípios e cidadãos, frente ao momento de crise causado pela pandemia de covid-19 e que deve se manter em 2021. “A partir do ano que vem teremos os reflexos econômicos e sociais de uma crise como esta que estamos passando e que, infelizmente, irá se perpetuar por um tempo.

Os prefeitos e prefeitas enfrentarão um aumento de demanda na prestação de serviços públicos, como saúde, vagas na educação e assistência social. São homens e mulheres corajosas, abnegados e preocupados com a sua cidade”, ressalta.

O levantamento elaborado pela Federação também aponta que 101 gestores que poderiam tentar a reeleição optaram por não entrar na disputa. Os motivos para esta decisão são diversos, como articulação política, pressão administrativa ou até mesmo questões pessoais. De acordo com o presidente da Famurs, as principais razões são a dificuldade de se fazer gestão pública; o aumento frequente de responsabilidades e as limitações financeiras.

“Este número elevado de desistências nos surpreendeu, mas este número representa o aumento de responsabilidades dos municípios, que vem assumindo serviços com menor repercussão financeira e com menor aporte financeiro dos governos federal e estadual”, justificou Maneco.

Além disso, o presidente da entidade ressaltou que a desistência dos prefeitos à reeleição também está relacionada a pressão cada vez maior do Tribunal de Contas e do Ministério Público, que interferem na gestão dos municípios, em situações que muitas vezes os gestores não tem culpa ou não realizam de maneira dolosa.

O presidente da Famurs entende que muitos dos casos poderiam ser resolvidas com diálogos e orientações por parte dos órgãos de controle. “Isso é algo que tem melhorado, através de parcerias e trabalhos conjuntos com os órgãos de fiscalização, mas precisamos nos esforçar para melhorar a relação com os municípios.

Certamente este é um fator que inibe a participação das pessoas na política e inibe boa parte dos prefeitos e prefeitas que poderiam ir à reeleição e não vão por conta dos processos que certamente sofrerão depois que saírem da administração municipal”

Somados aos prefeitos e prefeitas que já estão em seu segundo mandato, serão, ao todo, 206 novos gestores municipais no estado, em 2021.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul


Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *