Grupo Solaris

Mapa definitivo da décima rodada do Distanciamento Controlado tem 10 regiões em vermelho

Governo acatou pedidos de Cruz Alta, Erechim, Santa Cruz do Sul, Santa Rosa e Santo Ângelo, que permanecem com bandeira laranja

Após analisar os 63 pedidos de reconsideração de municípios e associações regionais, o governo do Estado divulgou, na segunda-feira (13), o mapa definitivo da décima rodada do Distanciamento Controlado. São 10 regiões em bandeira vermelha (alto risco epidemiológico) e as outras 10 com laranja (risco médio), vigentes a partir da 0h desta terça (14) até as 23h59 da próxima segunda-feira (20).

Das 15 regiões preliminarmente classificadas com a cor vermelha, 11 apresentaram recursos e, destas, cinco tiveram os pedidos acatados – Cruz Alta, Erechim, Santa Cruz do Sul, Santa Rosa e Santo Ângelo – e permanecerão na laranja, ou seja, com menos restrições à circulação e atividades econômicas.

As regiões de Cachoeira do Sul, Caxias do Sul, Novo Hamburgo, Palmeira das Missões, Passo Fundo e Taquara tiveram os pedidos de reconsideração indeferidos por apresentarem um quadro mais grave nos indicadores de propagação de coronavírus e capacidade de atendimento em saúde. Com isso, ficarão com bandeira vermelha nesta rodada.

Somam-se a elas Porto Alegre, Canoas, Capão da Canoa e Pelotas, que já haviam sido classificadas com alto risco na semana anterior e não poderiam ter regressão na bandeira.

O governador Eduardo Leite, em transmissão ao vivo pelas redes sociais, lembrou que o governo do Estado, desde a implantação do Distanciamento Controlado, trabalha para equilibrar a proteção à vida e à saúde dos gaúchos e preservar ao máximo os empregos e a qualidade de vida da população.

Regra 0-0

Depois da análise de recursos, o Estado tem 10 regiões em bandeira vermelha, que somam 286 municípios, o que corresponde a 73% da população gaúcha (8.270.737 habitantes).

Dessas 286 cidades, 149 não tiveram registro de hospitalização e óbito por Covid-19 de morador nos 14 dias anteriores ao levantamento – equivalente a 8,4% da população gaúcha (948.002 habitantes). Esses municípios se adequam à chamada Regra 0-0 e podem adotar protocolos previstos na bandeira laranja por meio de regulamento próprio.

RECURSOS INDEFERIDOS (negados)

Regiões:

• Caxias do Sul
• Cachoeira do Sul
• Caxias do Sul
• Novo Hamburgo
• Palmeira das Missões
• Passo Fundo
• Taquara

RECURSOS DEFERIDOS (aceitos)

• Cruz Alta: a região tem boa oferta de leitos, tem ainda números baixos e estáveis de hospitalizações, mantidas em nove como na semana anterior. Um dos pontos que havia levado Cruz Alta para bandeira vermelha foi o aumento de óbitos, que passou de zero para cinco. O número é preocupante, mas ao observar o contexto, considerando o número de leitos, de hospitalizações e a proporção de casos ativos e recuperados, que não sugere uma situação mais preocupante, foi decidido manter a bandeira laranja, embora haja um alerta para o número de óbitos.

• Erechim: a região apresenta uma estabilização no número de hospitalizações, passando de 15 para 16; os registros de novos óbitos caíram de três para um; e uma estabilidade na proporção de casos ativos e recuperados. A macrorregião Norte havia sido a maior responsável pelo aumento da gravidade da região de Erechim, por isso a decisão foi por manter a bandeira laranja.

• Santa Cruz do Sul: a região apresentou melhoria na situação das hospitalizações, passando de 11 para sete, e uma queda nos registros de novos óbitos, de três para um. O maior problema foi ter tido um aumento na proporção de casos ativos e recuperados, o que sugere cuidado e um alerta pelas autoridades locais. No geral, os indicadores permitiram que a região pudesse permanecer em bandeira laranja.

• Santa Rosa: a região tem uma boa oferta de leitos e observou a diminuição de hospitalizações, de sete para seis. O número de óbitos também está estabilizado.

• Santo Ângelo: a região apresentou estabilização no número de óbitos e melhoria da proporção de casos recuperados em relação aos casos ativos. Além disso, a região tem uma oferta de leitos ainda bastante positiva, com 63% de ocupação de UTI. Quando observada a macrorregião, onde Santo Ângelo está inserida, são 58% dos leitos de UTI utilizados, por isso, foi deferida a manutenção da bandeira laranja.

Fonte: Governo do RS.

Sair da versão mobile