Faixa Atual

Título

Artista


Jornalista Carolina Bahia diz na CIC/Caxias que a imprensa deve manter o foco real na pandemia

Escrito por em outubro 26, 2020

Ela defendeu a busca de informações certificadas e qualificadas para evitar as fake news em sua palestra na reunião-almoço virtual desta segunda-feira

“Informar, contribuir e construir pontes. Essa é a missão do jornalismo de qualidade e profissional”. A afirmação foi feita pela jornalista Carolina Bahia, durante a reunião-almoço on-line desta segunda-feira (26) realizada pela Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC Caxias), em parceria com a Associação Riograndense de Imprensa – Seccional Serra Gaúcha (ARI Serra Gaúcha).

Na conversa com o presidente da CIC, Ivanir Gasparin, a palestrante, que hoje atua como consultora da empresa ANK Reputation, falou sobre o papel da imprensa durante e também no pós-pandemia. Carolina abriu o diálogo comentando a nova realidade do trabalho remoto. Logo após, falou sobre como as fake news, presentes comumente em debates políticos, se materializam e se tornam ainda mais perigosas quando relacionadas a áreas da saúde. Para a jornalista, durante a pandemia da Covid-19 foi possível perceber que grande parte da população buscou por informações certificadas. “O que é essa doença? Qual é o hospital que está funcionando? O que eu tenho que fazer?”, destacou.

Na mesma linha, a imprensa valorizou e passou a dar mais espaço às notícias fundamentadas na Ciência. Conforme Carolina, junto com isso viu-se um movimento do jornalismo de soluções, que além de investigar e denunciar, traz o problema à tona e também ouve especialistas para propor medidas que contribuam com a resolução desses empecilhos.

Com diferentes exemplos de conteúdos veiculados na imprensa nacional, a profissional destacou a importância de mostrar à sociedade o que realmente acontece no contexto da pandemia. “Nós jornalistas temos a missão de dizer o que está acontecendo por trás dos números. Um número não é nada, um número é algo frio. Não tem uma história. Morreram 100 pessoas, mas o que significa isso?”, questionou.  

A jornalista também comentou sobre o acerto da imprensa em criar um canal direto de comunicação com quem é especialista no assunto: profissionais da área da saúde, pesquisadores, autoridades públicas, ministros e secretarias de Saúde. Segundo Carolina, essa colaboração faz com que uma linguagem mais acessível sobre o assunto seja levada a todos os cidadãos, facilitando a intepretação e entendimento da informação.

Mas e os desafios para o pós-pandemia? A jornalista afirmou que para a imprensa é prioridade manter o foco em discussões efetivas. Para ela, debates em torno da obrigatoriedade da vacinação são menos prioritários do que questões que envolvem o planejamento de distribuição da vacina, por exemplo. “Nós temos que aprender nos ocupar com o que é o debate real e a pandemia deixou isso ainda mais claro”, ponderou.

O vídeo da transmissão da reunião-almoço de hoje está salvo e pode ser acessado no Facebook ou no YouTube da CIC Caxias.

Troféu

A próxima edição ocorrerá no dia 9 de novembro e terá como palestrante o diretor da CIC, Joarez José Piccinini, que atua nas Empresas Randon. A reunião-almoço do próximo mês voltará a ser presencial, com 50% da capacidade, e também transmitida on-line.

Na transmissão desta segunda-feira, foi informado ainda que, neste ano, devido ao coronavírus, o Troféu Ari Serra Gaúcha, realizado desde 2008, não será entregue de forma individual. Segundo anunciou a presidente da entidade, jornalista Andreia Fontana, a 13ª edição deve ser realizada em 2021.

Fonte e foto: Ass.Imprensa CIC

Presidente da CIC, Ivanir Gasparin comandou o encontro

Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *