Faixa Atual

Título

Artista


Governo descarta retorno do horário de verão neste ano

Escrito por em outubro 1, 2021

Segundo pesquisa sobre a eficácia do programa, solicitada pelo governo à Operadora Nacional do Sistema Elétrico (ONS), foi concluído que o retorno do programa não traria impactos no enfrentamento da crise energética.

Apesar de pesquisas indicarem que boa parte da população ainda é favorável a volta do horário de verão, o presidente Jair Bolsonaro decidiu pelo não adiantamento dos relógios em uma hora. Extinto por Bolsonaro em 2019, o presidente acredita que, com a popularização do ar condicionado, o pico de consumo teria mudado.

A volta do horário de verão também foi descartada pelo ministro de Minas e Energia, Beto Albuquerque, nesta quinta-feira (30). Neste ano, o governo vinha sofrendo pressões de setores da economia para retomar o horário de verão. Tanto para aliviar a pressão sobre os reservatórios das hidrelétricas durante a crise hídrica, quanto para melhorar os negócios do comércio no Brasil com uma hora de sol a mais durante o dia.

Segundo Albuquerque, “o horário de verão não se faz necessário no que diz respeito à economia de energia. O programa não foi renovado em 2019 e permanece da forma como está”, afirmou.

Segundo pesquisa sobre a eficácia do programa, solicitada pelo governo à Operadora Nacional do Sistema Elétrico (ONS), foi concluído que o retorno do programa não traria impactos no enfrentamento da crise energética.

Os resultados do estudo são semelhantes aos que justificaram o fim do horário de verão. As pesquisas afirmam que com a popularização dos aparelhos de ar condicionado, o pico do consumo foi deslocado para o início da tarde quando faz mais calor.

Por esse motivo, não há mais grande economia em retardar o pôr-do-sol, segundo o governo. Antes da mudança do perfil de consumo residencial, o pico ocorria no início da noite, quando empresas e indústrias ainda funcionavam e mais pessoas estavam em casa utilizando eletrodomésticos.

Foto Divulgação

Fonte: Ronei Marcilio com pesquisas em informes oficiais do governo


Opnião dos Leitores

Deixe uma Resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *