Faixa Atual

Título

Artista


Fundação e Implantação da Colônia de Antônio Prado

Escrito por em fevereiro 4, 2020

A inspetoria e as comissões de medição de lotes e as de terras estabeleceram mais de mil famílias no território do atual município

Antônio Prado foi a sexta e última das chamadas “antigas colônias da imigração italiana”, e foi fundada em maio de 1886. A partir daí, criada a nova colônia, começaram a serem destinadas verbas públicas para abertura de estradas, construção de balsas, medição de terras, construção de barracões, transporte e acolhimento dos colonos. Apesar dos importantes acontecimentos políticos pelos quais o país passava, como a proclamação da República e a Revolução Federalista em 1893, não houve interferência no processo de implantação de imigrantes em terras devolutas e cobertas de matas da Serra do Rio das Antas.
A revolução de 1893, agitando violentamente quase todos os recantos do estado, pouco podia interferir numa colônia recém-fundada, alcandorada entre paredões, sem estradas, animais de transporte e sem outros recursos econômicos, humanos e financeiros. Deixando de lado as agitações políticas que abalavam o país, a inspetoria e as comissões de medição de lotes e as de terras e colonização, prosseguiram seu trabalho de estabelecer mais de mil famílias no território do atual município de Antônio Prado.

Barracão do Imigrante

O primeiro barracão dos imigrantes, medindo 20 metros de comprimento por seis de largura e 2,50 de altura foi construído nesse local, através de um contrato celebrado entre o Engenheiro dos lotes, Dr. Henrique Cristiano da Silva Guerra com o Sr. Camilo Marcantônio.

No local foi construída também uma casa canônica para o Capelão, uma capela de pedra, uma capela e um cemitério.

Vários imigrantes se estabeleceram no local, inclusive montando casas de comércio e engenho de cana-de-açúcar. Entre esses imigrantes o próprio Camilo Marcantônio.

Simão David de Oliveira, conforme declaração de Francisco Marcantônio, que o conheceu pessoalmente e com ele conviveu, foi assassinado mais tarde por um imigrante italiano de sobrenome Benetto.

Com os melhoramentos da estrada Passo do Zeferino, atual ERS 122, em 1918, o Passo do Simão e sua estrada foram perdendo interesse, até ficarem abandonados.

Informações obtidas na página oficial da Prefeitura, Acervo Nilo Bortoloto, do Livro Antônio Prado e sua História – Fidélis Dalcin Barbosa

Pesquisa e Redação Jornalista Ronei Marcilio – Grupo Solaris de Comunicação


Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta para Waldir Maffriy

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *