Faixa Atual

Título

Artista


“Falar do Pradense me emociona, porque começo a relembrar as histórias” diz ex-presidente do Clube Atlético Pradense

Escrito por em julho 20, 2020

Programa Especial apresentado no domingo (19) buscou recuperar fatos de um clube adormecido desde 2000

No domingo (19), a Rádio Solaris 97.3 apresentou o programa Especial Clube Atlético Pradense 102 anos, buscando recuperar fatos históricos do clube que esteve sempre próximo da comunidade e até hoje traz boas recordações.

O ex-presidente do clube, Clóvis Zulian, que ocupou o posto durante mais de 30 anos e desenvolveu um trabalho fundamental para que o clube pudesse ganhar destaque no cenário esportivo da serra gaúcha, foi um dos entrevistados. Além dele, os ex-jogadores Samuel Rodrigues, que também foi dirigente do clube, Mário Grazziotin, Éverson Chinaipe, a ex-presidente Marlova Zulian, o ex-técnico Raquete e o goleiro Igor Baldin.

Clóvis desenvolveu um trabalho fundamental no comando da equipe, trazendo jogadores de vários times da região para formar parte do Pradense. “Quando víamos um bom jogador, principalmente no Caxias ou Juventude, a gente dava um jeito de trazer”. O ex-presidente lembrou ainda da rivalidade com o Glória de Vacaria.

O zagueiro Mário, que atuou no Pradense entre o final dos anos 70 e início dos anos 90, também destacou essa rivalidade. “Quando chegávamos em Vacaria, éramos escoltados pelos policiais”. Sobre Mário, Samuel Rodrigues destaca que era um zagueiro de baixa estatura, mas com um tempo de bola invejável. “ele era baixo, mas saltava muito, conseguia ganhar dos centroavantes na bola aérea”.

A ex-presidente Marlova Zulian falou sobre a participação feminina no futebol, afinal, entre 1992 e 1994, período em que esteve no comando do Pradense, ainda não havia a presença massiva da mulher no futebol, algo que hoje é uma conquista importante. Ela estacou ainda o envolvimento da comunidade com a equipe, com o Estádio Municipal sempre recebendo bons públicos nas tardes de domingo.

A equipe teve dois grandes momentos, 1988, quando esteve muito próximo se subir para a divisão principal do futebol gaúcho, mas, por não ter capacidade suficiente no estádio, precisou perder os últimos dois jogos e não obteve a classificação. Já em 1992, a equipe também teve destaque, sob o comando do técnico Machado, que conseguiu alinhar um time que não havia começado a segundona gaúcha muito bem. Éverson Chinaipe, atleta da equipe de 92, diz que o trabalho do técnico Machado foi fundamental. “O Machado conseguia ajeitar um time ruim, fazia ele jogar”.

Éverson mostra o quadro com a equipe do Pradense em 1992.

Ao final do programa, Samuel Rodrigues entregou ao ex-presidente Clóvis Zulian, a camisa 18 do Pradense, utilizada há alguns anos pelo hoje técnico da Seleção Brasileira, Adenor Bacchi, o Tite, em um jogo pela Apae, realizado no Estádio Municipal de Antônio Prado. A camisa foi uma forma de reconhecer a importância de Clóvis para a história já centenária do Clube Atlético Pradense, fundado em seis de junho de 1917.

Fonte: Grupo Solaris – Repórter Luiz Augusto Filipini.


Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *