Faixa Atual

Título

Artista


Dia Nacional do Doador de Órgãos alerta para a importância da conscientização do tema

Escrito por em setembro 27, 2021

Segundo especialistas uma pessoa pode salvar a vida de até 10 pessoas

Hoje, dia 27 de setembro, é o Dia Nacional da Doação de Órgãos. A data foi criada através da lei nº 11.584/2007 e visa conscientizar a sociedade sobre a importância da doação e ao mesmo tempo frisar a importância das pessoas interessadas em doar, de informar a seus familiares e amigos sobre sua vontade.

O transplante trata-se de um procedimento cirúrgico que consiste na reposição de um órgão (coração, pulmão, rim, pâncreas, fígado) ou tecido (medula óssea, ossos, córneas) de uma pessoa doente por outro órgão ou tecido normal de um doador vivo ou morto.

A legislação em vigor determina que a família será a responsável pela decisão final, não tendo mais valor a informação de doador ou não doador de órgãos, registrada no documento de identidade. A pessoa maior de idade e capaz juridicamente pode doar órgãos a seus familiares. No caso de doador vivo não aparentado é exigida autorização judicial prévia.

Qualquer pessoa pode se tornar um doador de órgãos. Em vida é possível doar rins, parte do fígado, da medula óssea ou pulmão. No caso de doadores falecidos, com a constatação de morte encefálica, é possível doar fígado, rins, pâncreas, córnea, coração e até pele.

A doação ainda é considerada um tabu devido a diversas questões como religião, crenças, entre outros por isso a importância da conscientização sobre este assunto. Uma pessoa saudável que decide realizar a doação pode salvar até 10 pessoas com um simples ato.

Segundo informações do Ministério da Saúde o Brasil é referência mundial na área de transplantes e possui o maior sistema público de transplantes do mundo. Atualmente, cerca de 96% dos procedimentos de todo o País são financiados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Os pacientes recebem assistência integral e gratuita, incluindo exames preparatórios, cirurgia, acompanhamento e medicamentos pós-transplante, pela rede pública de saúde.

Acesse mais informações aqui.

Fonte: Grupo Solaris – Repórter Taís Vargas com informações do Ministério da Saúde


Opnião dos Leitores

Deixe uma Resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *