Faixa Atual

Título

Artista


Dia do Colono: Ilce Zampieri representa a força feminina, a garra da mulher colona

Escrito por em julho 25, 2021

A produtora do ramo leiteiro também é mãe, mulher e dona de casa e não deixa a vaidade de lado em nenhum momento

Dia 25 de julho é considerado o Dia do Colono e Motorista. A data foi criada em 1924 em meio às comemorações do centenário de vinda dos primeiros imigrantes ao Rio Grande do Sul e em homenagem ao protetor dos motoristas e dos viajantes: São Cristóvão.

A Rádio Solaris realizou em homenagem a estes profissionais uma série de matérias que enaltecem e contam histórias de pessoas que representam esta data como forma de homenageá-los devido a duas atividades cruciais para o funcionamento de diversos setores de nossa economia.

Hoje trazemos a história de Ilce Zampieri que representa a força feminina, a garra da mulher colona. Zampieri é moradora da capela São José, Vila Segredo, interior de Ipê e atua no ramo do leite, ofício este que desempenha desde pequena, junto aos seus pais que já trabalhavam na área o que a inspirou a seguir o mesmo caminho. Ela até tentou mudar de ramo e quando casou chegou a morar na cidade, pelo período de dois anos, mas logo acabou retornando ao interior.

Atualmente possui cerca de 100 animais entre vacas leiteiras, novilhas e terneiros, mas ordenham o leite apenas de 48 vacas produzindo uma média de 900 litros de leite por dia, o que varia de acordo com a produção, que às vezes fica escassa devido a algumas vacas que acabam sendo retiradas da produção por estarem com filhotes recém nascidos.

Zampieri trabalha junto ao seu esposo Deoclecio Francisco Gasparini e esporadicamente contam com o auxílio de pessoas contratadas para dar conta da produção. A rotina do casal inicia cedo por volta das 5h da manhã e Ilce possui um ritual para iniciar seu dia. Ela acorda cedo e antes de iniciar seus afazeres toma seu chimarrão, passa seu protetor solar antes de ir para a ordenha e fazer tudo o que necessita ser feito durante o dia.

E o trabalho é extenso: Recolher a vacas, ordenhá-las, tratar os terneiros e as vacas, limpar e deixar tudo organizado. A noite segue a mesma rotina para a segunda ordenha em que retornam para casa às 21h30 e diversas vezes a meia-noite “Se tem alguma vaca doente precisa de cálcio, precisa de cuidados e a gente não mede esforços, fica lá, salva, a gente cuida, e eu amo tudo isso, sempre amei e vale a pena”.

A rotina cansativa e repetitiva levou Zampieri a ter problemas de saúde e necessitar repensar a profissão. “Eu amo minha profissão, mas tenho que escolher né ou tu continua trabalhando assim ou tu cuida da tua saúde. Então minha decisão já foi escolhida. Eu vou cuidar da minha saúde por indicação médica.”

A produtora reconhece sua luta diária e a de muitas mulheres que escolhem viver e trabalhar no interior e demonstra sua admiração por si e por todas as mulheres do campo. “Se as mulheres da colônia soubessem o valor que elas têm, como elas são lindas, porque elas fazem tudo. Aqui na roça termina o pão tem que fazer, não temos mercado perto pra gente comprar. A massa é a gente que faz, a roupa é a gente que lava, a limpeza somos nós que fazemos,” completa.

Ela também defende que a mulher colona precisa ser vaidosa, se cuidar, ter sua feminilidade. Zampieri além de ser vaidosa, gosta muito de ler, meditar e rezar.

Ao falar dos desafios da mulher que mora na colônia ela ressalta que são muitos, como acordar cedo, trabalhar na agricultura além de todas possuírem suas tarefas em casa e geralmente não se há final de semana, feriado. “Ela tem que se virar, tem que ser mãe, esposa, e no meu caso administradora, veterinária e tem que se virar porque não tem outro jeito,” destaca.         

E completa dizendo que mesmo diante dessas dificuldades em nenhum momento se arrepende de ter escolhido trabalhar e morar na colônia e que estes desafios, que foram muitos, só a fizeram crescer. 

Com este relato a Rádio Solaris presta homenagem aos trabalhadores da terra que garantem a alimentação saudável de milhares de mesas em Antônio Prado e região com o apoio da Agrimar, Agrovet Saúde Animal, Associação dos Motoristas, Bio Nutri, Cresol, Econativa, Restaurante do Zeca, Dalle Molle Mudas, Nutririva, Atraf, Viprado, Prefeitura de Nova Roma do Sul, Hotel Martello, Posto o Cupim, Super Pneus, Spazzio Sole, Sicoob, Solaris Corretora, Transportadora Ravanello e Vereador Neudi Balancelli e deseja a todos os produtores um feliz dia do Colono e Motorista.

Fonte: Grupo Solaris – Repórter Taís Vargas


Opnião dos Leitores

Deixe uma Resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *