Faixa Atual

Título

Artista


Banco da Família apresenta índices positivos de saúde financeira e melhora qualificação social

Escrito por em novembro 19, 2021

Resultados de avaliação internacional mantêm instituição catarinense com a melhor nota de qualificação em microcrédito no Brasil

O Banco da Família passou por avaliação da MicroRate, principal qualificadora de operadoras de microfinanças da América Latina, e recebeu avaliações A- e 4,5 estrelas. O primeiro resultado é o mesmo obtido antes da pandemia e indica a manutenção do status de boa viabilidade institucional a longo prazo e boa capacidade financeira. O segundo mostra que a instituição catarinense tem excelente nível de desempenho social.

Esses índices positivos são consequência dos resultados alcançados pelo Banco da Família referentes ao ano de 2020. Única do País que se submeteu à avaliação no primeiro ano da pandemia, a entidade com sede em Lages, ficou dentre as 19% melhores do mundo na qualificação institucional, permanecendo com a melhor qualificação em microcrédito no Brasil entre as Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIPs) independentes deste segmento. 

De acordo com a MicroRate, os fatores de destaque foram: forte governança corporativa, equipe de gestão de bom desempenho, excelente situação financeira apesar da pandemia, posicionamento meritório e clareza do nicho alvo. “É de grande importância conquistar essa nota em um ano de pandemia, quando muitas empresas e negócios fecharam. Expor nossos números à análise de uma qualificadora é constatar que, apesar de todas as dificuldades, conseguimos manter nosso status e isso representa uma grande vitória”, comentou a presidente do Banco da Família, Isabel Baggio.

Na qualificação social, a instituição melhorou a marca de 4 estrelas obtida em 2017 para 4,5 estrelas, ficando entre os 5% que atingiram essa classificação. Segundo a MicroRate, ações que geram impacto social positivo entre os clientes, colaboradores e a sociedade em geral, foram fundamentais para isso.

Isabel destaca que o Banco da Família precisou se adaptar à pandemia. “Instalamos um comitê de crise e passamos a tomar decisões dia e noite, pois nossos clientes foram os primeiros a serem atingidos pela crise. Não seria justo simplesmente interrompermos nossa atuação. E, mesmo diante de um cenário tão desafiador, tivemos um crescimento de cerca de 30% em 2020”, citou.

Liderança

Outro resultado que o Banco da Família está comemorando é a manutenção da liderança no ranking da Associação das Instituições de Microcrédito e Microfinanças da Região Sul do Brasil (AMCRED-Sul). No primeiro semestre de 2021 foram realizadas 12.328 operações com um total de R$ 60.337.413,49 emprestados. Um valor 67,86% maior em relação ao segundo colocado.

“O Banco da Família é uma instituição que busca a excelência e o crescimento de forma intensa por considerar que, com números significativos, irá proporcionar impacto positivo na vida das pessoas através de nossas linhas de financiamento para microcrédito produtivo (capital de giro e investimento) e para compra ou construção de moradia, melhoras em saneamento, agricultura, e também energia solar”, avaliou a presidente.

Segundo ela, os desafios impostos pela pandemia tiveram reflexo direto no desempenho da instituição, conforme indicam as certificações da MicroRate e da AMCRED-Sul, impactando na continuidade de crescimento na região em 2020. Porém, mesmo diante de um cenário atípico, o Banco da Família seguiu com seu projeto de expansão e ampliou sua presença chegando em Santa Cruz do Sul e Gravataí, no território gaúcho, e em Concórdia e Rio do Sul, em Santa Catarina. Os próximos locais que devem contar com a presença do Banco da Família são outras cidades da Região Metropolitana da Grande Porto Alegre, Noroeste do Rio Grande do Sul e a região dos Campos Gerais, no Paraná.

Sobre o Banco da Família

Fundado em 1998 como um movimento da Associação Empresarial de Lages (SC), o Banco da Família surgiu em um momento de depressão econômica da região e, desde então, mantém como propósito impulsionar negócios de micro ou pequeno porte. Adotando um modelo enxuto e sustentável, ganhou musculatura ao atrair novos parceiros e implementar a diversificação de produtos ao longo dos últimos 23 anos. A instituição tem clientes em 210 cidades dos três estados do Sul e é, segundo a Associação Brasileira de Entidades Operadoras de Microcrédito e Microfinanças (Abcred), a maior instituição de microfinanças do Sul do Brasil. Em sua história de duas décadas já concedeu mais de R$ 1 bilhão em crédito em cerca de 400 mil operações que impactaram mais de 1,3 milhão de pessoas.

Presidente do Banco da Família, Isabel Baggio.

Opnião dos Leitores

Deixe uma Resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *