Faixa Atual

Título

Artista


24 de agosto comemora-se o Dia da Infância

Escrito por em agosto 24, 2020

A data tem o propósito de promover uma reflexão sobre as condições em que as meninas e meninos vivem no mundo inteiro

A data foi instituída pelo Fundo das Nações Unidas pela Infância (Unicef), órgão da Organização das Nações Unidas (ONU) voltado para a infância.

Uma data para refletir, esse é o objetivo do Dia da Infância, comemorado no dia 24 de agosto. Diferente de 12 de outubro, quando se comemora o Dia das Crianças no Brasil, essa data do mês de agosto visa estimular as pessoas a pensar a situação das crianças ao redor do mundo.

No Brasil, segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), são consideradas crianças as pessoas com até doze anos de idade incompletos.

Pelo entendimento da justiça, podem ser consideradas crianças indivíduos com necessidades, construções psicológicas e particularidades, diferenciadas.

A data tem o propósito de promover uma reflexão sobre as condições em que as meninas e meninos vivem no mundo inteiro.


O Dia da Infância é, portanto, uma oportunidade para se pensar sobre o que é possível fazer para melhorar a situação dos pequenos, assumindo que são indivíduos mais vulneráveis e que precisam de atenção especial. Um grande passo foi dado com a proclamação da Declaração dos Direitos das Crianças pela Assembleia das Nações Unidas, em 20 de novembro de 1959. O documento estabelece os direitos fundamentais de todas as crianças em nível internacional. No Brasil, teve impacto semelhante à aprovação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), ocorrida em 13 de julho de 1990.

Em contato com o presidente Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente – COMDICA, de Antônio Prado, Ademir Francesquini, informou que havia muitos projetos para serem colocados em prática durante este ano. “Ocorre que todos esses projetos envolvem aglomerações e, devido à pandemia, não foi recomendável seguir com os mesmos”, afirma Ademir.

Buscamos saber também qual a visão do Conselho Tutelar quanto à dificuldade de apresentar conteúdo aos alunos, já que educação é um direito de todos.

Confira o manifesto do conselho:

Pandemia de COVID-19 e os impactos para a aplicação do ECA

Desde meados de março, as crianças e os adolescentes brasileiros, de modo geral, não vão mais à escola em função das necessárias medidas adotadas para conter a propagação do coronavírus. Com isso, meninos e meninas, junto com suas famílias, estão aprendendo a frequentar aulas num formato diferente, o on-line. Essa situação traz um primeiro desafio para a implementação de um importante direito previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que completou 30 anos em julho, que é a garantia de educação para todos, haja vista que muitos não têm acesso à internet ou computador para acessar os materiais disponibilizados, ou ainda existe a impossibilidade desta família dar a atenção e ajuda necessária que as crianças e os adolescentes precisam para a realização das tarefas. Mas há outras questões preocupantes relacionadas à pandemia de COVID-19 que representam ameaça para a efetivação da lei. Em casa, em situação de isolamento, aumentam os riscos de crianças e adolescentes sofrerem maus-tratos, abuso sexual e acidentes domésticos, sem que tenham o apoio da escola para denunciar tais situações ou identificar sinais que possibilitem a adoção de providências. A crise econômica, que acompanha a crise sanitária, também pode fazer com que mais crianças e adolescentes passem por privações, o que pode prejudicar ainda mais o seu desenvolvimento sadio. O momento atual, permeado de diversas dificuldades, exige esforço redobrado de toda a sociedade para a plena garantia dos direitos das crianças e adolescentes. Já se disse: Quando achamos que sabemos todas as respostas, vem a vida e muda todas as perguntas. Que essas novas perguntas formuladas pela vida sejam respondidas com gestos de amor, fraternidade e solidariedade àqueles que mais precisam da nossa atenção e dos nossos cuidados, como as crianças e os adolescentes, principalmente as que estão mais vulneráveis neste momento. Colegiado do Conselho Tutelar de Antônio Prado.

Foto Divulgação

Jornalista Ronei Marcilio


Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *



Continue lendo